E se eu disser que …

E se eu disser que 
dentro de você mora um anjo que se reveste de luz 
para fazer novos amigos?
E se eu disser que dentro de você existe uma paz infinita que o torna tão amigo e querido?
E se eu disser que dentro de você existe luz e que essa luz apaga a inveja, a discórdia e a guerra?
E se eu disser que 
dentro de você existe
um cupido que espalha amor e que flecha meu coração?
E se eu disser que você
é iluminado pelas estrelas e seus olhos parecem reflexo dessa luz?
E se eu disser que você é divinamente concebido
e tem dentro de si tudo o que precisa para viver?
E se eu disser que dentro de você existe uma fera que sabe lutar e defender os seus?
E se eu disser que dentro de você habita uma chama que é capaz de incendiar uma cidade? 
E se eu disser que dentro de você mora um inventor
capaz de criar mil maneiras de fazer a mesma coisa? 
E se eu disser que dentro de você existe um construtor que é capaz
de criar novos caminhos?
E se eu disser que dentro de você existe um elo de corrente que o liga ao sobrenatural tão facilmente? 
E se eu disser que você é um deus, e que possui a chave da vida eterna… 
Da alegria que não acaba, dos sonhos que se realizam, da saúde que se perpetua, dos amigos que nunca o esquecem! 
Da saudade gostosa, do desejo que realiza, do prazer da vida? 
Você é a própria luz. 
Acredite nisso e brilhe, 
por amor a você e a quem o criou. 
Construa, viva, conquiste, 
não aceite as derrotas, os “nãos”! 
O impossível é apenas uma força te convidando para realizar.
Acredite. 
Dentro de você existe um universo em permanente construção.

Paulo Roberto Gaefke

Zaratustra

“Zaratustra tinha adormecido um dia debaixo de uma figueira, porque fazia calor, e com o braço protegia o rosto. Veio então um víbora que o picou no pescoço, soltando Zaratustra um grito de dor. Quando afastou o braço do rosto, olhou para a cobra; então ela reconheceu os olhos de Zaratustra, contorceu-se desajeitadamente e tentou afastar-se. – Ainda não! disse Zaratustra, ainda não lhe agradeci! Acordou-me a tempo. Tenho ainda um longo caminho para andar. – “O caminho que lhe resta já não é muito grande, disse tristemente a víbora: o meu veneno é mortal”. Zaratustra começou a rir: – Desde quando o veneno de uma cobra matou um dragão? perguntou ele. Reabsorve o seu veneno. Não é suficientemente rica para me fazer presente dele. Então a víbora tornou a enlaçar-lhe o pescoço e sugou-lhe a ferida.” (Nietzsche)

Quando me amei de verdade…

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome… Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é…Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de… Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é… Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama… Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é… Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a… Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é… Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é… Saber viver!!!

Kim e Alison McMillen